Pecados Ambientais

MaçãÉ fato: todo mundo tem um pecado ambiental. Uns, poucos. Outros, muitos. Pecado ambiental, da forma como eu vejo, é aquela ação que, à semelhança dos capitais, mexe com desejos quase incontroláveis. É o banho demorado. É fazer um belo churrasco. É pegar o carro para ir até a esquina comprar pão. Acho que todo mundo pode dar um exemplo bom. E o meu? Qual é o meu maior pecado ambiental?

Carros. Eu já disse antes, e repito aqui. Eu gosto de carros desde pequenino, quando ficava na janela da minha avó falando todos os modelos que passavam na rua. Eu gosto de jipes, esportivos, Lamborghinis e Mini Coopers. E é ruim de alguém andar num Land Rover e não pirar com tudo que ele oferece.

E foi por isso mesmo que eu tenho ficado meio de fora na última semana: muito trabalho e todo um dia passado em Interlagos, rodando num Range Rover Sport (como anda!). Para mim, foi uma decisão muito difícil ir até lá. Por um lado, eu sempre sonhei em dar uma volta em Interlagos. Por outro, Land Rovers gastam muito combustível e vão contra o que eu acredito. Neste caso, a paixão falou mais alto. Mas eu só consegui justificar tão feito porque, há algum tempo, decidi que possuir um veículo é um direito.

E direitos são, por definição, opcionais. Não exercendo esse direito acredito estar colaborando para uma cidade melhor. Seja no quesito poluição, seja no trânsito e tantos outros. Tudo isso enquanto economizo uma grana. E querem saber? Além de tudo, ainda consigo ler e relaxar no caminho para o trabalho. Coisa que, para quem pega trânsito em Sampa é impossível.

Também tenho outros pecados: gosto de gadgets, de banhos demorados e de fazer churrasco. Mas, como é o caso do carro, mantenho-os sob controle. Oscar Wilde dizia que a melhor maneira de resistir à tentação é cedendo a ela. No caso do meio ambiente, o ideal é se controlar e tentar, aos poucos, mudar hábitos. Afinal, são esses os mais dificeis de mudar.

E acreditem: se eu consegui recusar o direito de ter um carro, tudo é possível. Com um tanto de força de vontade e outro tanto conhecimento. No fim, você vai até gostar da sua decisão. O fato é que reconhecer o problema é metade da resolução. É por isso que eu estou assumindo aqui, publicamente, meus pecados ambientais e renovando meu compromisso em evitá-los sempre que possível, mitigando quando impossível. E vocês? Quais são seus pecados? A caixa de comentários está aí. Façam uso!

Foto Cortesia de ~*Bomba Rosa*~ via Flickr.

Comments
8 Responses to “Pecados Ambientais”
  1. Renata Corrêa says:

    Meu pecado ambiental está na comida…Mesmo sabendo que é ruim consumir produtos importados por conta da quilometragem, nao resisto as novidades culinárias. O jeito é procurar opções semelhantes nacionais e cortar o que é superfluo de vez.

Trackbacks
Check out what others are saying...
  1. […] pais, amigos, tios, avós – eu sei eu pensava assim até pouco tempo atrás. E assumo, tenho meus pecados também. O problema é que reciclar não é o suficiente. Reciclar é o mínimo […]

  2. […] ainda fresco, úmido. Mesmo que ele tenha algumas dezenas de anos. E aqui já confesso mais um pecado ambiental: não gosto muito de livro de sebo – prefiro os novos e intocados. A Renata pensa diferente: se o […]

  3. […] um modelo para um consumo mais sustentável. Cada um sabe onde o seu calo aperta, vide os nossos pecados ambientais de cada dia. Aí olhando esse site, percebi que por mais cuidado que eu tome com o meu transporte, […]

  4. […] ainda fresco, úmido. Mesmo que ele tenha algumas dezenas de anos. E aqui já confesso mais um pecado ambiental: não gosto muito de livro de sebo – prefiro os novos e intocados. A Renata pensa diferente: se o […]

  5. […] um modelo para um consumo mais sustentável. Cada um sabe onde o seu calo aperta, vide os nossos pecados ambientais de cada dia. Aí olhando esse site, percebi que por mais cuidado que eu tome com o meu transporte, […]

  6. […] assim que eu decidi não possuir um carro. E olha que eu gosto muito de automóveis, como já disse neste post. Era um dia de greve de metrô e eu estava na Van que fazia um trajeto do meu trabalho para a […]

  7. […] quase dois anos atrás, eu decidi que não teria mais carro, muito embora sempre tivesse paixão por automóveis, eu […]



Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: